domingo, 30 de janeiro de 2011

Bike Tour 2011

Salve salve turma!

No último dia 25, aniversário de São Paulo, ocorreu um grande evento chamado Bike Tour, que nada mais foi do que um passeio ciclístico com mais 7mil pessoas, onde para participar deste, tiveram que fazer sua inscrição na virada do ano através do site. A taxa de inscrição foi de R$180,00 (cento e oitenta reais), um pouco cara não acha? Mas espere, vejam só o que faz parte do Kit. Primeiro a camiseta do evento e um capacete (retirados com antecedência) e no dia do evento uma mochila de hidratação e por fim a bicicleta. É isso mesmo, os participantes levam pra casa a bicicleta (Caloi 21 marchas). Sensacional, não é?

Essa foi a terceira edição do evento, e diferente das anteriores, este ano teve participação de pessoas com deficiência física e visual. O mais sensacional disso tudo é que 40 pessoas com deficiência física e 40 pessoas com deficiência visual GANHARAM suas "bicicletas" (Handbikes e Tandens). Esse fator GANHARAM foi espetacular, pois infelizmente no nosso país as empresas de bicicleta não se preocuparam com esse público (14% da população brasileira). Digo isso por experiência própria, pois em 2001 desenvolvi um projeto pioneiro de ciclismo para pessoas com deficiência visual pela ADD - Associação Desportiva para Deficientes. O nosso primeiro e maior desafio foi justamente adquirir uma bicicleta Tandem (de dois lugares) que tivemos que importar.
Anos se passaram e conseguimos um grande apoio do SENAI que desenvolveu todo o projeto de uma bicicleta Tandem nacional, que era só o fabricante pegar aquele projeto e desenvolver, sem precisar gastar em estudos de projeto. Sabe qual empresa se interessou? NENHUMA, isso mesmo, nenhuma empresa quis investir neste produto.
Outras ONGs também começaram a desenvolver o ciclismo para cegos, mas suas Tandens são aquelas que juntamos dois quadros velhos, o que deixa a bicicleta totalmente insegura. Mas fazer o que? Uma Tandem importada custa mais de 3mil dólares sem contar os impostos, que são abusivos.
Agora, depois de 10 anos podemos dizer que é uma vitória para essa turma que estava desprovida desse hábito tão saudável e prazeroso, que é pedalar. Muitos nunca tinham vivenciado essa experiência, ou que depois da mudança de condição, imaginavam nunca mais poder andar de bicicleta, vem um grupo de portugueses, fazem um evento no dia do aniversário de São Paulo e trazem de fora do país 40 Handcycling e 40 Tandens. Mas galera que ganhou essas bikes... Não deixe mofando na garagem ou num canto qualquer... Vamos pras ruas... Vamos pedalar por ai e mostrar que também somos ciclistas e que somos consumidores.

Grande abraço e bons pedais.

Mateus Nascimento

Foto 1: Juliana Cardilli/G1
Foto 2: ADD - Assoc. Desp. para Def.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. SENSACIONAL!
    Fico muito feliz pela conquista, porém triste por ser tão difícil conseguir qualquer coisa benédica para esse público que são capazes de praticar essa atividade tão prazerosa, pois eles só precisam de condições especiais.

    Parabéns!

    Daniélla Ferreira

    ResponderExcluir
  3. É isso ai Daniélla! A grande questão também é que as empresas não enxergam as pessoas com deficiência como consumidores... E GRANDES consumidores... Enquanto essa deficiência visual dos empresários continuarem esse problema permanecerá.
    E continue comentando... É muito importante pra nós esse Feedback.

    Saudações

    Mateus Nascimento

    ResponderExcluir
  4. Bela iniciativa, como a minha amigona de clase Daniélla, comentou, acho péssimo as empresas não perceberem e não incentivarem o público deficiente, afinal, com iniciativas e participação de empresas e comunidade, é possivel um aumento significativa do esporte para-olimpico... Além de maior divulgação desse tipo de esporte!

    Aaah em Abril, ReaTech 2011 - Eu vou!

    Beijos e Sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Sua iniciativa é louvável, mas se for pro papel: necessidade X quem pode pagar, realmente, não existe mercado "consumidor" que justifique o lucro que as empresas precisam para sobreviver. Infelizmente esse público vai continuar passando pelo chavão "necessidades especiais"!

    Mas, como disse, acho que é uma bela causa, parabéns!!!

    ResponderExcluir
  6. Segundo Renato Russo, Legião Urbana "Que país é esse???",infelizmente essas pessoas são jogadas á margem da sociedade, e no país do futebol, da copa, e da olimpíada, os incentivos ao esporte assim como a educação numca são debatidos, nós paramos o país para o carnaval, por que não paramos numca para debater estes temas, inclusão no esporte incentivos e por ai vai, o tópico seria pqno para isso, mas é louvável iniciativas assim como as sua Professor, parabéns...

    ResponderExcluir
  7. Dicíola (A mãe!), realmente por um lado tem essa situação de "quem pode pagar"? porém a deficiência não escolhe classe social, certo? Sendo assim, existem muitas pessoas com deficiência com condições sim de investir em equipamentos para seu lazer. Mas elas tem esses equipamentos no Brasil para adquirir? Se importar o governo vai lá é "chupinha" 60%. Esta certo isso? E isso não só para as pessoas com deficiência, que se deixe claro...

    ResponderExcluir